Para Poucos.

Luiz Gomes

Luiz Gomes

Viciado em qualquer tipo de basquete e ex mão de pau de rachão.

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Henrique disse:

    Não consigo deixar de pensar que quanto mais o NBB cresce os estadual morrem proporcionalmente. Estamos vivendo no basquete o mesmo efeito do Brasileirão no futebol.

    Os defensores do modelo de grandes ligas sempre citam os EUA como exemplo, mas acredito que devamos olhar para a Europa como exemplo. Assim como nós, lá não existem grandes ligas esportivas estudantis, então a massificação do esporte e o aparecimento de talentos dependem fundamentalmente do número de equipes em atividade e, considerando que não existe mercado para centenas de grandes, esse número só é feito com equipes pequenas.

    Fale termos sempre em mente que o Brasil não pode ser comparado com um país europeu, como a Espanha por exemplo, e sim com a Europa inteira! Alguns dizem que o NBB seria nosso equivalente a ACB, mas para mim a ACB seria equivalente a um Campeonato Paulista, e o NBB à EuroLiga. Torneios regionais fomentam a sobrevivência de times pequenos justamente por colocá-los em confronto direto com os grandes. Modelos que prevêm os grandes fora dos torneios locais, ou calendários muito pequenos para esses torneios asfiquiciam as equipes menores.

    Não tenho a resposta mágica para nossos problemas, mas o futuro me é temerário quando um país de 250 milhões de habitantes tem menos de 20 equipes jogando basquete por mais de 3 meses por ano. Me lembro quando era jogador juvenil e preferi me dedicar aos estudos e abandonar os treinos por achar que o mercado do basquete era muito restrito. Imagino o que deve passar na cabeça dos meninos hoje em dia!

    • Luiz Gomes Luiz Gomes disse:

      Fala Henrique, beleza?
      Olha, concordo com seu segundo parágrafo.
      Olha, já fui mais radical com os estaduais ( principalmente o paulista). Acha que simplesmente tinham que acabar. Hoje mudei meu ponto de vista. Eles devem servir como preparação para o NBB, lançar/testar jogadores e como difusor do esporte. Aqui em SP, estava-se chegando em um modelo assim ( Torneio Novo Milênio), mas por vaidade da FPB, acabou não vingando . Aqui em SP o estadual foi disputado por 12 equipes sendo 11 do NBB ( Considerando Lins/Ceará), então não houve difusão alguma da modalidade. Ainda temos um problema de sincronia de calendário que mata as equipes ( Aqui em SP, o que o time de Santos, que foi única equipe que disputou o paulista que não está no NBB, vai fazer até FEV/2015?). O ideal seria, pelo menos, termos duas divisões fortes ( para o nosso nível, claro) com 14-16 times cada. CBB e federações deveriam participar desta organização ( da segunda divisão) mas dai é pedir muito.
      Abraço.
      Luiz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *